Translate

terça-feira, 14 de novembro de 2017

NDU BOXI

Ndu boxi, ndu mu kinyi!
"Ndu" é som onomatopeico produzido pelo contacto entre o pilão e almofariz. Significa "martelar" no chão e no almofariz. O mesmo que "uma no cravo e outra na ferradura" ou um passo à trás e dois à frente. Há ainda quem prefira "um olho no peixe e outro no gato".
Ndu boxi, ndu mu kinyi.

sabedoria angolense, Libolo, Kibala e arredores.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

KAXINJI, WALIVITA UNUNA!

Eye kaxinji, walivita únuna.
 
Kaxinji é uma espécie de rato altamente gorduroso.
> Sentes-te poderoso, assume as consequências!
Esse adágio metafórico da região de Lubolu, Kipala e arredores é, normalmente, evocado em situações em que alguém adopta duplo compromisso onde apenas um é normal (poligamia, por exemplo) ou uma atitude precoce (casar sem trabalhar, ter filhos sem se preparar, etc.). Ao chamar-se o "autor" à razão, é-lhe evocada essa máxima.
 Eye kaxinji, walivita únuna!

sábado, 1 de abril de 2017

ZUNDU KATANDELA!

Zundu katandela. ki watandela kuha wahi!
 
Há atitudes e comportamentos que definem o nosso ser, sendo inseparáveis de nós.
Podem ser encontradas outras leituras para essa máxima em Kimbundu do Libolo e Kibala.
 
O sapo não estica as pernas. Se as estiver esticadas é porque está morto!

quarta-feira, 1 de março de 2017

KWATA XIMBA NAMENA MBOKOTO

Kwata ximba, namena mbokoto!
Pega o simba (gato-bravo), mas pendura-te (não desperdice) ao mbokoto (lemur).
= Não desperdice oportunidade nenhuma.

Kwata ximba, namena mbokoto!
Sabedoria ambundu (Lubolu)

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Kananginebo katundebo!

O dever de informar e ser informado encontra respaldo na Filosofia bantu e, entre diversas, manifestações uma delas é a que se segue:

Kananginebo katundebo!
> Quem esteve ausente que não saia!
Há temas que são de conhecimento obrigatório.
> Daí que quem não presenciou um facto deve aperceber-se/informar-se do que se passa.


Sabedoria ambundu (Kipala kya Samba)

domingo, 1 de janeiro de 2017

MUKENGE NYI MUKILA WE

A família é também retratada na filosofia bantu, cujo conhecimento viaja de geração em geração.
Assim, encontramos a expressão: 
 
> Mukenge wenda nyi mukilawe!
 
> O mabeco anda com a sua cauda.
 
> Cada mãe com os seus filhos e cada pai com a sua família!
Sabedoria ambundu (Lubolu)